Seja Bem vindo(a)
 
 
 
  (91) 3224-6661
 
  Fale Conosco
Nossa História
Convênios
Contas Abertas
Palavra do Presidente
Facebook
Youtube
Últimas Notícias
Artigos
Estrutura
Legislação
Assessoria Jurídica
Consultas Online
Aniversariantes
Documentos
Clube do Livro
Links Importantes
 
Associações e Sindicatos
Empresário
 
Adepol do Brasil
Sindpol
 
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
29/06/2016
MUDANÇAS NA LEI MARIA DA PENHA SÃO APROVADAS PELA CCJ E VÃO A PLENÁRIO
A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou na tarde desta quarta-feira (29), projeto de lei da Câmara (PLC 7/2016) que altera a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006) para permitir ao delegado de polícia conceder medidas protetivas de urgência a mulheres vítimas de violência doméstica e a seus dependentes. O parecer favorável a essa e outras mudanças foi apresentado pelo relator, senador Aloysio Nunes (PSDB-SP). A proposta segue, agora, para votação no Plenário do Senado. 

Essa atuação do delegado só será admitida, segundo o projeto, em caso de risco real ou iminente à vida ou à integridade física e psicológica da mulher e de seus dependentes. Nesta hipótese, a autoridade policial poderá aplicar essas medidas protetivas, mas assumindo a responsabilidade de comunicar a decisão ao juiz em até 24 horas, para que ele possa manter ou rever essa intervenção. O Ministério Público também deverá ser consultado sobre a questão no mesmo prazo. Providências complementares para proteção da vítima - chegando até mesmo à prisão do suposto agressor – também poderiam ser pedidas pelo delegado ao juiz.

Outra inovação do PLC 7/2016 é incluir o direito a atendimento policial especializado e ininterrupto, realizado preferencialmente por profissionais do sexo feminino. O texto também reforça a necessidade de que os estados e o Distrito Federal priorizem, no âmbito de suas políticas públicas, a criação de delegacias especializadas no atendimento à mulher e de núcleos de investigação voltados ao crime de feminicídio.

DEZ ANOS

Na opinião do relator, essas são medidas necessárias para superar obstáculos que, em dez anos de vigência da Lei Maria da Penha, ainda persistem e desestimulam as vítimas a buscar amparo do Estado. Mais um mérito do projeto assinalado por Aloysio é o fato de se impedir que a vítima seja submetida a reinquirições sucessivas e a questionamentos inadequados sobre sua vida privada.

Atualmente, conforme observou o relator, as vítimas são submetidas a constrangimentos e a desamparo psicológico, familiar e social, um processo denominado de “revitimização”.

“É como se o fato criminoso não cessasse: sua lembrança permaneceria viva na memória da vítima a cada etapa do processo investigatório e do desenrolar do processo penal, até decisão final”, explicou Aloysio no parecer.

No seu ponto de vista, as mudanças propostas no PLC 7/2016 ajudarão a combater “a pressuposição equivocada de culpabilidade da vítima — e não do agressor —, um fenômeno tão atroz quanto recorrente”.

Aloysio agregou ao projeto apenas uma emenda de redação, de autoria da senadora Marta Suplicy (PT-SP). A emenda dá ao delegado de polícia a possibilidade de baixar medidas protetivas de urgência, mas determina, em ato contínuo, o envio de sua decisão ao juiz em 24 horas.­­


Fonte: Agência Senado de Notícias
   
« Voltar
Área Restrita
Galeria de Imagens
Informativos Online
Informativos Online
Delegacias do Pará
Procurados
Publicidade:
Desenvolvido por:
CentrallWEB
Av. Presidente Vargas, 351, Ed. Palácio do Rádio, Apto. 1102
CEP: 66.010-000 - Campina - Belém/PA
Fones: (91) 3224-6661 / (91) 3222-0465
E-mail: adm@adepol.com.br / adepolpa@hotmail.com
Sistema Antistress:
Antistress